Motoristas aprendem a se colocar no lugar de passageiros e ciclistas

Motoristas aprendem a se colocar no lugar de passageiros e ciclistas

Treinamento realizado pela Semob já atendeu cerca de dois mil condutores, que são conscientizados sobre respeito às pessoas com dificuldade de locomoção e a quem pedala nas vias urbanas

Agência Brasília* I Edição: Débora Cronemberger

Cerca de dois mil motoristas e cobradores do transporte público coletivo do DF já passaram pelo treinamento instituído pela Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob). Nesta quinta-feira (16), feriado de Corpus Christi, foi a vez dos rodoviários da empresa Urbi, que receberam aulas práticas e teóricas na sede do Sest Senat, em Samambaia.

Motoristas e cobradores estão atualizando os conhecimentos de legislação e fazendo exercícios sobre os cuidados que devem ter com passageiros especiais | Foto: Divulgação/Semob

O treinamento instituído pela Semob começou com a proposta de oferecer aos motoristas a oportunidade de ter a sensação de andar de bicicleta numa pista onde passam veículos pesados e mais velozes, como os ônibus. No seminário da Urbi, o treinamento foi bastante ampliado.

“É uma grata satisfação para o governo ver que as empresas do DF estão com esse treinamento e com essa conscientização dos seus colaboradores”Valter Casimiro, secretário de Transporte e Mobilidade

Além de ciclistas, os condutores também se passaram por motociclistas e receberam, ainda, aulas e demonstrações sobre as dificuldades enfrentadas pelas pessoas idosas e com deficiência, como os cegos e os cadeirantes.

“É uma grata satisfação para o governo ver que as empresas do DF estão com esse treinamento e com essa conscientização dos seus colaboradores”, disse o secretário da Semob, Valter Casimiro. Segundo ele, a ideia surgiu durante o Maio Amarelo, evento realizado para chamar a atenção da sociedade sobre a necessidade de prevenção de acidentes e preservação da vida.

Um dos objetivos da secretaria é conscientizar os motoristas sobre o papel de protetor que deve ser exercido por quem conduz um veículo pesado. “No trânsito, o maior deve proteger o menor e os ciclistas têm o direito de circular pelas vias públicas juntamente com os veículos motorizados”, disse Casimiro.

“Os deficientes físicos sofrem muito e são verdadeiros guerreiros. Só passando por esse exercício para saber realmente como é a dificuldade no dia a dia de cada cadeirante”Juarez Rezende, motorista de ônibus

A proposta da Semob obteve boa aceitação e está sendo ampliada para vários tipos de públicos. Além do respeito aos ciclistas, os motoristas e cobradores estão atualizando os conhecimentos de legislação e fazendo exercícios sobre os cuidados que devem ter com passageiros especiais. No seminário, eles simulam situações de embarque e desembarque de cadeirantes, cegos e pessoas idosas com dificuldade de locomoção.

O motorista Juarez Rezende, de 64 anos, trabalha como condutor de ônibus há 36 anos. Ele conta que também é motociclista e sabe bem como é o medo de transitar entre ônibus, caminhões e carros pelas vias da capital. No treinamento do Sest Senat, Juarez conheceu outra realidade, a do cadeirante. Conforme suas palavras, foi uma experiência reveladora que ele nunca tinha imaginado antes.

“É melhor operar o ônibus do que andar de cadeira de rodas. Realmente é muito difícil, há muitos imprevistos, a pessoa tem de se equilibrar bem e escolher os melhores lugares para que possa conseguir (embarcar e desembarcar do ônibus)”, disse o motorista. Para ele, “os deficientes físicos sofrem muito e são verdadeiros guerreiros. Só passando por esse exercício para saber realmente como é a dificuldade no dia a dia de cada cadeirante”, concluiu.

A Semob determinou que o treinamento seja permanente e aplicado por todas as operadoras do transporte público coletivo do DF, para todos os condutores. Até agora, três das cinco empresas já iniciaram os seminários.

*Com informações da Semob

Renata Schuster

Renata Schuster