Distritais criticam PMDF, mas não falam a verdade sobre a escola da Estrutural

Distritais criticam PMDF, mas não falam a verdade sobre a escola da Estrutural

O plenário da Câmara Legislativa, na tarde de ontem (10), virou palco de críticas pesadíssimas ao sistema das escolas militarizadas e ao Governador Ibaneis Rocha (MDB). Pois bem os deputados Fábio Felix, Leandro Grass e a Deputada Arlete, saíram em defesa dos “alunos vítimas da sociedade” do CED 01 da Estrutural, mas os nobres parlamentares não contaram a realidade.

Os anjinhos travestidos de alunos além dos livros também levam para a escola facas, facão , canivete e drogas atitudes estas pelo visto consideradas normais para os nobres parlamentares.

A grande realidade que a polícia tem que estar onde é necessário e a violência nas escolas está aumentando a cada dia então nada mais justo que os “alunos” que portam armas sejam recolhidos a DCA.

Os parlamentares defensores do pobres oprimidos também não falaram em plenário que a vice diretora que foi exonerada do cargo fez um áudio chamando um policial de cagão. Será que está senhora que desrespeita a polícia é exemplo para alguém ?

Por fim após os pronunciamentos a reação foi imediata e vários policiais comentaram nas redes sociais a falta de conhecimento e aparente proteção aos “alunos e a ex vice diretora”. A grande questão é que os três parlamentares querem o fim das escolas militarizadas no DF.

Falar que as “crianças e jovens” estão sendo reprimidos por uma polícia truculenta que não tolera e nem conversa parece uma brincadeira, seja menor ou maior se não cumprir a lei tem que ir para delegacia e serem fichados. Deixo só uma pergunta: Se os policiais saírem das escolas e a criminalidade aumentar os deputados irão se responsabilizar pela segurança a comunidade escolar ?

Entenda o caso:

Toda confusão citada, segundo a vice-direção da escola (que foi exonerada), teria sido causada porque os militares queriam censurar o trabalho dos estudantes. Mas a história não é bem essa!

Vamos aos fatos. Primeiramente, os desenhos no mural do CED 01 não foram feitos pelos estudantes, o que as matérias sempre dão a entender. As artes do mural foram feitas pelo chargista Carlos Latuff, conforme matéria publicada no Correio Braziliense em comemoração ao Dia da Consciência Negra e utilizada pelos alunos do CED 01 (clique acima e leia a matéria).

Segundo, a polêmica toda, que envolveu inclusive o deputado federal cearense Heitor Freire (União Brasil), foi causada por um desenho de um Policial Militar com a suástica nazista no braço (Abaixo).

A suástica é um símbolo do horror causado pelo nazismo que dizimou, durante a segunda grande guerra mundial, quase 10 milhões de judeus. Portanto, o USO DA SUÁSTICA É PROIBIDO POR CONVENÇÕES INTERNACIONAIS. O SEU USO TEM CONSEQUÊNCIAS JURÍDICAS GRAVES.

O desenho em anexo é o real motivo de toda a confusão. E ele foi tirado do contexto porque o desenho foi modificado. MELHOR: O DESENHO FOI APAGADO. Como se diz: A CENA DO “CRIME” FOI MODIFICADA. Portanto, as matérias só mostram os fatos com o desenho modificado, passando a imagem para os telespectadores que realmente os policiais da parceria Cívico Militar queriam censurar os desenhos, que NÃO FORAM FEITOS PELOS ESTUDANTES. Seria uma tática para jogar a população contra os policiais? Vídeo original

Confira clique na imagem abaixo:

CED 1 ESTRUTURAL

Infelizmente alguns parlamentares de esquerda preferem esconder a verdade da população e principalmente em ano eleitoral querer fazer palanque eleitoral na tentativa desesperadas de se manterem no poder, mas quando realmente precisam agir eles se escondem atrás da meses e fazem de conta que não sabem de nada. Por onde anda a Comissão de Direitos Humanos da CLDF para defender e pedir investigação das centenas de mortes de cidadãos trabalhadores, policiais, bombeiros, servidores da saúde etc ?

Da Redacao

Da Redacao