Fachin recua e retira convite para europeus fiscalizarem as eleições

Fachin recua e retira convite para europeus fiscalizarem as eleições

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cancelou o convite feito às autoridades da União Europeia para que atuassem como fiscais do processo eleitoral brasileiro.

Nos últimos dias, o Presidente do TSE, Edson Fachin (ao centro da foto acima), tem se manifestado contra a participação das Forças Armadas na fiscalização do processo eleitoral. O próprio TSE havia convidado as forças militares para legitimar o processo eleitoral. Todavia, o que os integrantes do TSE não esperavam aconteceu: as Forças Armadas encontraram problemas no processo de totalização.

A descoberta dos problema gerou uma reação entre os ministros do STF. O Ministro Barroso fez ataques às Forças Armadas em uma palestra e Edson Fachin afirmou que não aceitaria intervenção dos militares no processo, como se não tivesse sido o próprio TSE a convidá-los.

O recuo na posição em relação às Forças Armadas acabou constrangendo o Tribunal pela contradição de se opor aos militares brasileiros e convidar integrantes da União Europeia.

O próprio Presidente Jair Bolsonaro se opôs ao convite aos estrangeiros, lembrando que são entidades controladas por políticos de esquerda e contrários a ele.

O movimento do TSE de recuo em relação à União Europeia pode significar uma negativa à fiscalização pelas Forças Armadas, gerando uma crise institucional.

fonte: portal Nova Iguaçu

Da Redacao

Da Redacao