INÍCIO DE UM FIM?

INÍCIO DE UM FIM?
José Carlos Gentilli – Escritor, Membro da Academia de Letras de Brasília, da Academia Brasileira de Filologia e da Academia das Ciências de Lisboa

PAZ– HIATOS DAS GUERRAS

Ucrânia – partícipe da antiga União Soviética, União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Limites com a Moldávia, Criméia, Bielorússia, Donbass.

Em 1983, chegamos em Helsinki, fundada por volta de 1550 com sua antiga capital Turku, rumo à fronteira russa de Vigbord, depois dos soviéticos terem abatido o Jumbo da Korean Airlines, em Sakalin, quando morreram 269 criaturas, endurecendo o ingresso em território russo e a gerar um caos diplomático internacional.

O tempo passou e ninguém mais sabe a respeito! Assim, funciona a memória e a tradição.

À época, escrevi uma série de narrativas, que trago à baila, agora, após 40 anos, registrando as emoções de um jovem empreendedor brasileiro.

Eis o registro!

“Chegada na fronteira. Emoção incontida, misturada à burocracia russa, que é realmente de amargar. Revistam tudo e todos, abrindo portas, malas, painéis, olhando o ônibus num fosso com calma e minúcia. Nada escapa.

Declaram-se as joias, dinheiro, não se podendo sair de lá com rublos, que por     sinal é igual ao valor da libra esterlina.

Medo das drogas e de armas! A inspeção é total e se  parece aos campos de concentração de Treblinka e Sobidor…

Fotos são proibidas na fronteira, embora eu as tenha tirado à moda brasileira… escondidinho, mas com conhecimento da guia Eugênia, falante em espanhol e russo e outros idiomas eslavos, a explicar-nos os dizeres em cirílico.

O alfabeto cirílico foi criado por São Cirilo de Alexandria (827-869 d.C.), bispo responsável pela cristianização do leste europeu. Afirmam que o bielorrusso, o búlgaro, o macedônio, o russo, o sérvio e o ucraniano utilizam o alfabeto cirílico, além de outros povos.

Rumo a Leningrado as paisagens se alternam, ora com florestas de pinos e álamos, ora em extensas fazendas, onde se vê o gado holandês. O povo trabalhando nas lavouras, leva os excedentes para venda nas estradas, enquanto que a produção principal é destinada aos mercados públicos. Um campesino ganha igual a um funcionário de cidade. Tem a vantagem da vida do campo com melhores condições de alimentação. Poucos veículos nas estradas e todos velhos e feios, tendo-se a impressão que o russo não dá atenção à modernidade.

Tudo sóbrio e pesado. Casas velhas em alguns pontos, com datas inscritas, anteriores a 1917, demonstram que não mais se construiu. Essas datchas servem para o descanso de férias, através da concessão dos sindicatos, que comandam o povo. Tem-se a impressão que os donos foram embora, abandonando tudo…

O estatal não cuida e não mantém, porque a manutenção é onerosa. Vai-se a qualquer lugar sem necessidade obrigatória da guia do grupo (da guia russa Eugênia), mas uma outra guia, sempre está a guiar-nos, em cada cidade que se chega. Haja propaganda e vigilância em profusão, além da lavagem cerebral através do ensino de dados e qualidades veiculadas pelas guias, que são estatais. É tudo do Estado. Existem três canais de televisão, branco/preto, passando noticiosos, filmes, bailados, música clássica. Não há propaganda e a imagem não é boa. A TASS sabe de tudo… Às 11 hs da noite aparece a imagem de um relógio, disparando um som para alertar os ouvintes dorminhocos, a fim de que desliguem os aparelhos. É ótimo, para eles, que não conhecem o melhor. Parâmetros é importante sempre na vida. Uma rede de lojas estatais, é óbvio, chamada BERIOSKHA vende de tudo aos turistas, sendo que só se pode pagar em moeda estrangeira, menos em cruzeiros naturalmente…Ninguém é louco…

O vinho é um pouco ácido, mas bom o tinto.

Champanhe divina, sendo a vermelha a mais requisitada na Europa. A vodca é realmente gelada, descendo suavemente pela garganta e subindo fogosamente à cabeça. Boa, muito boa!

Anotam-se dados, pergunta-se tudo, observa-se um mundo novo e desconhecido.

Vê-se uma nova realidade mundial ! “

Entretanto, o tempo passa e a tristeza assola-nos ao ver que os homens não são homens, ainda, vez que circunscritos ao cinturão da belicosidade. Tudo é guerra. Lamentavelmente, alguns segmentos estão sempre no vórtice das guerras, a gerar  holocaustos, a feitio da Primeira e da Segunda Guerras Mundiais, sendo que ainda não aprenderam a magnitude da paz na preservação da humanidade.

A  gente sente a guerra no ar!

Casal José Carlos Gentili e Marilene Sampaio Gentili, citoyens du monde,  em viagem à Rússia,  à Ucrânia,  à   Alemanha, à Hungria e à Finlândia.

*José Carlos Gentili, jornalista. Membro da Academia das Ciências de Lisboa,

da  Academia Brasileira de Filologia e da Academia de Letras de Brasília.

Renata Schuster

Renata Schuster