Cursos oferecem formação profissional e inclusão digital gratuitamente

Cursos oferecem formação profissional e inclusão digital gratuitamente

São 600 vagas para quem quer aprender a usar diversos programas, como o Illustrator e o Indesign, e se capacitar para o mercado de trabalho

O projeto Escola Digital DF vai capacitar 600 pessoas, na faixa etária de 16 a 65 anos, em cursos de Webdesign, Marketing digital, Design gráfico e Letramento digital, além de Tecnologia educacional, específico para professores. Os cursos são gratuitos.

A iniciativa da Secretaria Extraordinária da Família, em parceria com as Obras Sociais Jerônimo Candinho, em Sobradinho, tem o objetivo de incentivar a inclusão digital e promover a qualificação profissional de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Microempreendedora individual nas áreas de design e produção cultural, Beatriz dos Santos, estudante de Serviço Social, mora em Ceilândia e se desloca três vezes por semana até Sobradinho para participar do curso de Design gráfico | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Os cursos são realizados de forma virtual e têm cargas horárias distintas. As disciplinas são disponibilizadas na plataforma da instituição de Sobradinho. A exceção é para a formação de Designer gráfico, que está sendo feita em sistema híbrido, com aulas presenciais e virtuais, totalizando 80 horas/aula. O curso está usando o Centro de Tecnologia Digital Poeta (Parcerias para Oportunidades Econômicas através da Tecnologia nas Américas), um laboratório tecnológico montado na instituição de Sobradinho.

Os professores podem participar do curso de Tecnologia educacional, que tem o objetivo de capacitá-los em habilidades digitais para ensino à distância, incluindo Ciência da Computação. A ideia é incentivar os educadores a implementar recursos digitais em suas práticas docentes e promover o uso da tecnologia entre seus alunos.

O Projeto Escola Digital DF é desenvolvido em parceria com a Microsoft e a instituição The Trust for the Americas, entidade membro da Organização dos Estados Americanos (OEA), que incentiva a inclusão digital de pessoas em situação de vulnerabilidade social

“É uma grande honra cuidar e pensar nas famílias do Distrito Federal e esse projeto chegou em boa hora, momento em que as famílias estão necessitando de apoio e fortalecimento”, disse o secretário extraordinário da Família, Martins Machado.

Combatendo o analfabetismo digital

Para a diretora das Obras Sociais Jerônimo Candinho, Rozemere Nunes, o analfabetismo digital é hoje um dos maiores obstáculos para que as pessoas em situação de vulnerabilidade social consigam se inserir no mercado de trabalho.

“Precisamos melhorar as habilidades digitais, cada vez mais. As pessoas têm dificuldades de conseguir emprego porque não dominam a área. Então, estamos qualificando essas pessoas, para que elas possam ter uma oportunidade de melhorar de vida”, explicou Rozemere Nunes.

A estudante do 10º semestre de Serviço Social da Universidade de Brasília (UnB), Beatriz Maria dos Santos, 27 anos, não pensou duas vezes ao identificar a oportunidade de se capacitar, enquanto remexia sites de diferentes instituições, na internet.

Microempreendedora individual nas áreas de design e produção cultural, a moça, que mora na QNN 5, em Ceilândia, se desloca três vezes por semana até Sobradinho para participar do curso de Design gráfico. O trajeto inclui o uso do metrô até a Rodoviária do Plano Piloto e mais um ônibus, que a deixa próximo às Obras Sociais Jerônimo Candinho, na Quadra 12 de Sobradinho.

“Um curso de Design gráfico é muito caro. Por isso, eu não quis perder a oportunidade de fazer essa qualificação gratuitamente, porque preciso me familiarizar com todas as ferramentas digitais. Além disso, é um respaldo oficial importante para mim, já que eu quero formalizar essa atividade profissional”, disse Beatriz.

Samuel Silva, 20, aproveita para aprender novas ferramentas e aprimorar seu trabalho como autônomo | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Oportunidade de trabalho como autônomo

Samuel de Sousa Silva, 20 anos, terminou o ensino médio em 2019 e trabalha por conta própria como webdesigner. Morador de Arapoanga, em Planaltina, o rapaz já conhecia as Obras Sociais Jerônimo Candinho, onde fez estágio pelo projeto Jovem Aprendiz. Acostumado a acompanhar as notícias da instituição, Samuel não teve dúvidas sobre aproveitar a chance para aprimorar o currículo.

“Eu já trabalho com Photoshop e After Effects, mas quero aprender a usar o Illustrator e o Indesign para poder trabalhar também com essas ferramentas. Quero continuar como autônomo mesmo, ter o meu negócio próprio”, explicou Samuel.

Parcerias

O Projeto Escola Digital DF é desenvolvido em parceria com a Microsoft e The Trust for the Americas, entidade membro da Organização dos Estados Americanos (OEA), que incentiva a inclusão digital de pessoas em situação de vulnerabilidade social.

As inscrições podem ser feitas pelo site www.jeronimocandinho.org ou pelas redes sociais:: https://www.facebook.com/jeronimocandinhohttps://www.facebook.com/centropoetabrasiliahttps://www.instagram.com/jeronimocandinho.osjc/ e https://www.instagram.com/jeronimocandinho.inclusao.

Marlene Gomes, da Agência Brasília | Edição: Renata Lu

Da Redacao

Da Redacao