OPERAÇÃO WALQUÍRIA

OPERAÇÃO WALQUÍRIA
Dona Maria Adelaide de Bragança – Princesa portuguesa (1912- 2012) que enfrentou Hitler.
José Carlos Gentilli – Escritor, Membro da Academia de Letras de Brasília, da Academia Brasileira de Filologia e da Academia das Ciências de Lisboa

Vivenciamos tempos atuais com perplexidade e ansiedade, a relembrar os tempos nefastos,  hitlerianos, quando um cabo austríaco, das falanges do Império Austro-húngaro, membro do Partido  Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (uma espécie que lembra um partido brasileiro),  com viés assemelhado e condutor das políticas propugnadas pelo Fórum de São Paulo, verdadeira  metamorfose ambulante, entre o caos e o Holocausto, a gerar uma das mais horrendas hecatombes do  século XX, ou seja – a Segunda Guerra Mundial.  

Neste contexto floresce a figura da Princesa Dona Maria Adelaide de Bragança, neta do Rei Dom  Miguel, destronado pelo Imperador brasileiro – D.Pedro I –, mais tarde D. Pedro IV, ambos filhos de  D. João VI, fato determinante da Guerra Civil Portuguesa (1831-1834). 

A busca pelo poder dos miguelistas por Queluz foi uma alternância, um verdadeiro vácuo de  mando, ocasionado pela presença das tropas de Napoleão Bonaparte, comandadas por Junot, em  terras de Portugal, quando o Regente D. João e sua mãe doentia, vieram para a colônia do Brasil.  

Verdadeiro hiato imperial. 

 Finda a Guerra Civil com a Convenção de Évora Monte, o destronado D. Miguel é exilado para 

a Alemanha, onde casou com a princesa tedesca Adelaide de Lowenstein-Wertheim-Rosemberg, e  gerou uma linhagem da qual era integrante Maria Adelaide de Bragança. 

Centenária criatura, que trabalhou na Áustria como enfermeira e foi condenada à morte por  Adolfo Hitler, por duas vezes, em decorrência de chefiar missão da Resistência, que tinha por escopo  proporcionar a fuga de judeus e perseguidos pela SS, dos nazistas. 

Detida a primeira vez, foi salva face à interferência de Salazar. 

Presa pela segunda vez, face ser agente da Resistência, com codinome Mafalda, a interligar os  ingleses com o Conde Claus von Stauffenberg, na Operação Walquíria, que atentou contra a vida do  Fuhrer. 

Após, liberta pelos soviéticos, os primeiros a chegarem ao bunker de Hitler, em Berlim, final da  Segunda Guerra Mundial, Maria Adelaide de Bragança foi para Portugal, em 1949, onde faleceu, em  Lisboa, em 2012, aos cem anos de existência.  

Historicamente é interessante a fixação de seu codinome Mafalda! 

Deve-se à outra princesa, integrante da Resistência, Mafalda de Saboia, filha do Rei Victor Emanuel  III, da Itália, casada com o bissexual (LGTBI+) Filipe de Hesse Cassel, admirador de Benito Mussolini  e dos ideais fascistas. A Gestapo prendeu-a em Roma, e levou-a para o campo de concentração de  Buchenvald. 

 Mafalda e Maria Adelaide eram contrárias aos ideais do Partido Nazista! 

Maria Adelaide de Bragança é um ícone na luta contra as anomalias de toda ordem, quer no âmbito  executivo, legislativo e, em especial, na órbita judiciária.  

A propósito, convém lembrar o jurista Rui Barbosa (Ruy Barbosa de Oliveira), que enunciou  lapidar e irretorquível opinião: 

“A liberdade não é um luxo dos tempos de bonança; é, sobretudo, o maior elemento de estabilidade  das instituições.” 

Está na hora de o Brasil e sua gente refletirem acerca da liberdade e dos pilares da democracia, e  estabelecer ordem na casa! 

Caso contrário, as Marias Adelaides e as Mafaldas de Saboia terão que voltar a desempenhar seus  papéis! 

Da Redacao

Da Redacao