Editor's Rating

Mais uma vez a Deputados Distritais ligados a partidos de esquerda se unem para aprovar projeto de lei para tentar apagar a história de nossa cidade, o motivo ainda não se sabe nos discursos acalorados no plenário o autor da proposta Deputado Leandro Grass e parlamentares de “oposição” insistem em homenagear Honestino Guimarães.

O projeto recebeu 13 votos favoráveis e quatro contrários, dos deputados Delmasso (Republicanos), Martins Machado (Republicanos), Iolando Almeida (PSC) e Reginaldo Sardinha (Avante). “A escolha de Honestino Guimarães para dar nome à ponte acontece porque ele foi um candango, estudou em escolas públicas de Brasília e também na Universidade de Brasília (UnB), e foi um importante nome na defesa de garantias individuais. Posicionou-se contra a ditadura e por isso foi preso diversas vezes, lutou pela dignidade, pela liberdade, e merece ser lembrado”, argumenta o texto da proposta em sua justificativa.

Os nobres parlamentares parecem que não moram no Distrito Federal ou ainda mantém raízes em seus estados de origem ou de seus familiares que vieram morar em Brasília. Nossa cidade não tem o costume de chamar os monumentos por nomes próprios batizados por políticos aqui quem denomina os locais é a população a exemplo das pontes que são conhecidas como primeira ponte, segunda e terceira.

Para quem ainda sonha que vai mudar a cabeça da população deve se empenhar pois muitos brasilienses se consultados sobre nomes de vários logradouros públicos não sabem onde fica.

O grande problema dos representantes de partidos de esquerda é que gastam grande parte de seu tempo empenhados em destruir a historia de nosso país trocando nomes que a décadas estão crivados em locais públicos simplesmente por ter nomes de militares, se ouve ou não excessos no período do governo militar, quem deve determinar é o judiciário. Quanto ao líder estudantil Honestino Guimarães deve sim ser homenageado onde ele participou e liderou varias manifestações na Universidade de Brasília.

Moradores do Lago Sul, estão organizando uma grande manifestação para evitar a aprovação em segundo turno da mudança do nome da segunda ponte de Costa e Silva para Honestino Guimarães. Vale lembrar que mudar nome de logradouro público não se resume somente na mudança de uma placa de sinalização mas envolve mudanças em mapas, e em todos os documentos que se referem ao local.