LUIZ SOLANO
O Repórter do Planalto

Mais um round na Câmara Legislativa para troca do nome da ponte Costa e Silva, que foi ex-presidente da República, período que contribuiu para construção da história de nosso país.

O projeto apresentado nesta legislatura pelo Deputado Leandro Grass, levantou uma discussão bastante acalorada entre parlamentares, a favor e contrários a proposta que troca o nome da ponte Costa e Silva, para Honestino Guimarães, que desagrada e muito os moradores do Lago Sul, porém sistematicamente tem sido apresentada por parlamentares que se intitulam defensores das “vítimas da ditadura”.

Não vamos entrar na discussão se o Brasil teve ou não uma ditadura, mas como bem disse o Deputado Rooselvet, não adianta trocar de nome, retirar de livros quem foi torturador, precisamos relembrar a história para não cometermos os mesmos erros”.

“Se o problema for o nome de Costa e Silva, então que coloquemos o nome de alguém que efetivamente fez algo por nossa cidade como destacou o Deputado Delmasso, não podemos ir colocando nomes de pessoas que não haja consenso a aprovação dos moradores da localidade.

Ressaltamos que, neste muda e não muda, já foram gastos milhares de reais dos nosso impostos, quem sustenta as contas públicas, são os contribuintes e mais uma vez podem ter novos gastos com a mudança do nome do local. Enquanto isso pessoas estão morrendo nas filas de hospitais e em busca de remédios .

A grande questão é, não será perda de tempo debater um projeto que já foi aprovado na legislatura passada de autoria do ex-Deputado Distrital Ricardo Valle e declarado inconstitucional pelo TJDFT. É tão importante quanto a atual situação que se encontra nossa cidade e país? Será que mudar o nome da Ponte de Costa e Silva para Honestino Guimerães vai trazer algum beneficio efetivo para a vida das pessoas? Ou esta mudança não passa de mais um capricho?