LUIZ SOLANO O Repórter do Planalto

Depois de 45 anos de ditadura,imposta por Fidel Castro,seu irmão Raul Castro , seguidores,que mataram e fuzilaram  mais de 28 mil cubanos, Cuba,um grande País do Caribe,acorda com a população indo para as ruas pedindo democracia , liberdade e trabalho.

Eu estive pelo menos 2 vezes em Cuba,passei a admirar o seu povo,  sua hospitalidade e a sua cultura.Nessas viagens,eu já sentia a revolta de uma população,que  não podia  criticar o regime e Fidel Castro, que deixou uma fortuna incalculável   até dia em que partiu deste  mundo por morte natural,viveu em Havana  como  rei,residiu  em uma casa ,hoje avaliada  em 40 milhões de dólares.

Nessas viagens que fiz,conheci um jovem cubano,por sinal era jornalista também e que me acompanhava nas minhas andanças em Havana .Me me contou ,que foi obrigado assistir o fuzilamento do pai,quando tinha apenas 9 anos de idade.Juntamente com ele, mais dois irmãos uma irmã de 11  e outro de 14 anos,foram obrigados não baixar a cabeça na hora do fuzilamento , que foi ordenado  por um  argentino aluno de medicina em Buenos Aires, que fugiu para Cuba,depois de molestar sexualmente duas colegas na Faculdade e que tinha o nome de Che Guevara.

São histórias que pouca gente sabe , sobre a ditadura  de Cuba,muito aplaudida no Brasil,inclusive com jovens de universidades brasileiras, vestindo camisas estampadas com o  rosto de Che Guevara ,que sonhava em estender a revolução cubana,por todo o continente latino americano, que foi morto no dia 9 de outubro de 1967,pelo Major boliviano Gary Prado,  na cidade de La Higuera,perto de Vallegrande,em Santa Cruz.

Desta forma, a população de Cuba, acorda e em breve,terá os seus representantes eleitos,com a formação de um Executivo, um Congresso Nacional e um Tribunal Superior,nos moldes do Brasil,situação odiada e reprimida por governos de esquerdas,como esse de Cuba.