O Deputado Federal Luis Miranda cancelou a coletiva que ia dar na tarde de hoje, para falar sobre as denúncias referentes a compra de vacinas pelo Ministério da saúde. Segundo informações o parlamentar passou mau.

Veja as mensagens trocadas por Luis Miranda e um assessor do Palácio do Planalto

Deputado afirmou que presidente sabia que ‘tinha crime’ na compra de imunizantes da Covaxin; Miranda conversou com assessor a partir do dia 20 de março

Barbara Baião, da CNN, em Brasília, e Rafaela Lara, da CNN, em São Paulo

Em entrevista exclusiva à CNNo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) afirmou que levou pessoalmente ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “provas contundentes” de irregularidades nas negociações para a compra da vacina Covaxin. 

Miranda é irmão de Luis Ricardo Fernandes Miranda, servidor do Ministério da Saúde que, segundo ele, teve conhecimento desses problemas e foi pressionado pela agilidade na assinatura de uma licença de importação do imunizante. O deputado federal conversou com um assessor do Palácio do Planalto por mensagens às quais a CNN teve acesso. 

Na troca de mensagens, Miranda pede ao assessor para avisar a Bolsonaro que “está rolando um esquema de corrupção pesado na aquisição das vacinas dentro do Min. da Saúde. Tenho provas e testemunhas.”

O deputado disse que o irmão foi cobrado para acelerar a assinatura da nota fiscal das vacinas no dia 19 de março. “Eu disse a ele, Luis, dorme e amanhã vamos ao presidente Bolsonaro, porque não sabemos mais em quem confiar”, afirmou. 

As conversas com o assessor do Planalto começaram no dia 20 de março – na mesma data Luis Miranda se encontrou com o presidente. “O presidente sabia que tinha crime naquilo”, disse o deputado em entrevista à CNN.

De acordo com o parlamentar, Bolsonaro ficou “convencido” e se comprometeu a acionar “imediatamente” a Polícia Federal (PF).  Entretanto, Miranda não recebeu retorno sobre o caso após o encontro e continuou as conversas com o secretário-adjunto do Palácio do Planalto.

Ainda durante a entrevista do deputado à CNNo relator da CPI da Pandemia, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que a comissão concedeu segurança ao deputado, seu irmão e familiares devido ao teor das revelações. 

“A CPI da Covid estará requisitando segurança para o Deputado Luís Miranda, ao irmão e aos familiares. As informações que o Deputado está declinando à imprensa e que trará a esta CPI, são de extremo interesse público. Sua vida e de sua família precisam estar resguardadas.”, escreveu Randolfe nas redes sociais.

Veja a troca de mensagens entre Miranda e o assessor obtidas pela CNN

  • Início da conversa, no dia 20 de março: 

Na primeira conversa com o secretário do Palácio do Planalto, que teve o nome preservado, o deputado federal afirma que tem conhecimento das irregularidades na negociação de compra da vacina e que o assessor deve avisar o presidente. 

“Não esquece de avisar ao PR [presidente]. Depois não quero ninguém dizendo que eu implodi a república. Já tem PF (…) no caso. Ele precisa saber e se antecipar”, escreveu. O assessor, no entanto, responde apenas com um emoji da bandeira do Brasil. 

Luis Miranda – 20 de março
  • A conversa continua após o encontro com o presidente, no dia 20:

Ainda no dia 20 de março, após o encontro com o presidente, o deputado volta a falar com o assessor do Planalto. Ele encaminha um print de um homem identificado como “Roberto – diretor”, que teria perguntado ao seu irmão “como está a LI [licença de importação] da vacina?”. 

“O diretor cobrando meu irmão a essa hora da noite sobre a LI da vacina. cobrando LI que não tem o que fazer (…)”, diz Miranda no áudio exibido durante a entrevista. Segundo ele, a licença de importanção é emitida pela Anvisa e seu irmão era a ligação direta com o órgão para tratativas sobre o tema. 

Luis Miranda - conversas
No dia 22 de março, Luis Miranda cobra respostas novamente: 
Dois dias depois, Miranda encaminha um documento e um áudio ao assessor e cobra respostas. “Pelo amor de Deus, isso é muito sério”, escreve.
Ele ainda pede um posicionamento do presidente para que seu irmão saiba como agir. “Meu irmão quer saber do PR [presidente] como agir.” 
Miranda - prints conversa
No dia 23, Luis Miranda questiona o assessor: 
Em 23 de março, o assessor do Palácio do Planalto passa a responder o deputado. Às 10h44, o parlamentar questiona se Bolsonaro “está chateado comigo”. “Algo que eu fiz?”, pergunta. 
“Só precisamos saber o que fazer me uma situação como essa”, continua. O assessor, então, responde: “Bom dia. Negativo, Deputado. São muitas demandas, Vou relembrá-lo.”
  • No dia 23, Luis Miranda questiona o assessor: 

Em 23 de março, o assessor do Palácio do Planalto passa a responder o deputado. Às 10h44, o parlamentar questiona se Bolsonaro “está chateado comigo”. “Algo que eu fiz?”, pergunta. 

“Só precisamos saber o que fazer me uma situação como essa”, continua. O assessor, então, responde: “Bom dia. Negativo, Deputado. São muitas demandas, Vou relembrá-lo.”

Conversa Luis Miranda

  • No dia 24, Miranda manda nova mensagem ao assessor sobre a validade da vacina: 

O parlamentar volta a mandar mensagem ao assessor do presidente no dia seguinte, alertando sobre as datas de validade da vacina Covaxin. “Os caras estão mandando vacina que vem em abril e maio”, escreve. 

A mensagem vem acompanhada de um print de parte de um documento que detalha os prazos para uso dos imunizantes. “Solicita-se esclarecer se é possível a utilização (…) previamente a data de expiração dos lotes”, diz um trecho do arquivo. 

Luis Miranda - conversas

Procurado, o Palácio do Planalto ainda não se manifestou. A CNN procurou também o Ministério da Saúde e aguarda retorno.

Em nota, a Precisa Medicamentos disse que as tratativas com o Ministério da Saúde seguiram todos os caminhos formais e de forma transparente. Sobre o valor da vacina, a empresa afirmou que foi o mesmo cobrado dos governos de outros treze países.