Anúncio foi feito na tarde desta terça-feira (1º). Especialistas se posicionam contra realização de torneio no país e destacam riscos de transmissão

O governador Ibaneis Rocha (MDB) confirmou Brasília como uma das sedes da Copa América 2021. O anúncio foi feito na tarde desta terça-feira (1º). O torneio foi movido para o Brasil depois que a Argentina desistiu de sediá-lo, por conta do avanço da pandemia de Covid-19.

A competição no Brasil foi anunciada pela Conmebol, mas não foi oficialmente confirmada pelo governo federal. O presidente Jair Bolsonaro disse, nesta terça, que no que depender dele e de ministros de seu governo, inclusive o da pasta da Saúde, o país sediará a copa. Especialistas alertam que a situação brasileira ainda é perigosa e que a realização da competição traz riscos.

A escolha de Brasília como uma das sedes também não havia sido confirmada pela Conmebol até o fim da tarde. O governador Ibaneis não deu detalhes sobre as regras discutidas para a realização dos jogos.

Horas antes da declaração do chefe do Executivo local, um grupo de estudantes fez uma manifestação contra o evento, em frente ao Estádio Nacional Mané Garrincha. O grupo levantou uma faixa amarela com os dizeres: “Façamos como os colombianos. Não queremos copa, queremos vacina”.

Visão de especialistas

Logo após o anúncio da Conmebol, especialistas em saúde criticaram a escolha pelo Brasil em meio à pandemia. O país soma quase 463 mil mortes por Covid, além de 16,5 milhões de casos confirmados da doença.

Nos últimos dias vem sendo registrado nova alta no número de internações por Covid-19 em diversas partes do país e especialistas já falam em uma terceira onda da doença. Em Brasília, nesta terça, a ocupação de leitos de UTI para infectados na rede pública estava em 87,55%.

Em posição contrária à de Ibaneis, alguns governadores informaram que não aceitarão jogos em seus estados. Senadores da CPI da Covid também criticaram a realização da Copa América no Brasil. O relator, Renan Calheiros (MDB-AL), classificou a decisão de “escárnio” e chamou o torneio de “campeonato da morte”.

O PT e o PSB pediram ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda as tratativas do governo brasileiro com a Conmebol e que impeça a realização da competição no Brasil. Nesta terça também, o ministro do STF Ricardo Lewandowski pediu informações ao governo sobre as negociações.