A I Copa de Macha de Brasília 2021, está movimentando a cidade e os criadores não só do Distrito Federal, mas de várias partes do Brasil nos últimos dias apoios importantes de grandes criadores que unidos pela paixão do cavalo Mangalarga Marchador, tem se organizado para fazer deste evento um marco no mundo equestre.

Diante de tamanha adesão a Diretoria da Associação dos Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador de Brasília – ACCMMB, tem acompanhado de perto todos os detalhes para que a festa do marchador de Brasília mesmo no período de pandemia seja um sucesso.

O evento denominado I Copa de Marcha de Brasília 2021, já conta com o apoio dos maiores e mais renomados haras do seguimento que se uniram para apresentar o que há de melhor em seus plantéis.

Além dos haras, a gigante no seguimento do agronegócio e uma das principais fornecedoras de suplemento, alimentação animal e suporte para os pequenos, médio e grande criadores mais uma vez reafirma seu compromisso com o crescimento da raça. A JHP Florestal empresa situada na região de Planaltina e genuinamente brasiliense de propriedade do empresário João Paulo Lopes, tem sido um diferencial principalmente para os criadores iniciantes. Além de alimentação para equino a empresa detém uma grande gama de produtos para agropecuária e agricultura.

Confira abaixo os parceiros da raça no Distrito Federal e adquira animais chancelados e de procedência com suporte durante a compra e pós venda.

Para os telespectadores que desejem acompanhar o evento pelo canal da ACCMMBDF seguem algumas dicas:

Começar a criar a raça Mangalarga Marchador, não é tarefa fácil. A atividade exige dedicação, trabalho, persistência e acima de tudo conhecimento. Para contribuir no aprendizado daqueles que iniciam o ofício de criar, elaboramos o conceito de palavras comuns utilizadas durante os julgamentos de marcha e morfologia. Conhecê-las e saber identificá-las durante as competições é essencial.

Frente oblíqua: animal com o pescoço bem dirigido e sustentado, formando um ângulo de aproximadamente 45º em relação ao solo.

Animal ponteiro: atitude causada pela falta de confirmação do apoio na embocadura, em que o cavalo mantém o focinho apontado para frente.

Cavalo braceiro: animal que, quando olhado por frente durante a locomoção, apresenta voo dos membros anteriores lateralizados.

Animal profundo: equino que apresenta boa capacidade torácica, com altura de costado satisfatória. Essa altura é tomada do esterno ao dorso do animal. A análise será feita de perfil.

Animal arqueado: visto por frente tem as costelas com boa abertura e em forma de arco, proporcionando uma boa amplitude torácica e consequentemente boa condição respiratória.

Passarinheiro: cavalo que se assusta facilmente. Está sempre refugando.

Cavalo debruçado: postura corporal do animal onde este se apresenta com a frente baixa e membros anteriores atrasados (sobre si), depositando mais peso do que o normal nesses membros. Essa postura causa dificuldade de flexão e extensão dos anteriores. Esses animais tropeçam com frequência.

Engajamento: os membros posteriores, quando observados de perfil, se exercitam abaixo da massa corporal do animal durante a locomoção. Se traçarmos uma linha da ponta da nádega até o solo, observamos que o animal movimenta os membros a frente dessa linha. O engajamento promove força e impulsão ao animal.

Animal com andamento diagramado: cavalo que equilibra bem os tempos de apoio da marcha durante a locomoção, apresentando apoios diagonais, laterais e tríplices. Os tempos de apoios diagonais são maiores que os laterais e os tríplices.

Dissociação: falta de sincronia dos apoios do bípede diagonal. O anterior sai frações de segundos à frente do posterior oposto durante o avanço diagonal e automaticamente aterrissa na frente. Essa característica é fundamental para que ocorra uma marcha de qualidade.

Cavalo de tipo bom: cavalo de formas planas, com boas proporções lineares (medidas de cabeça = pescoço = dorso-lombo = garupa = espádua = perna), apresentando boa proporção antebraço-canela (antebraço maior que a canela) e boa proporção de altura de costado e altura do solo ao esterno (proporção 1:1,33). Leve na aparência geral.

Animal em atitude: postura corporal do animal durante a locomoção, onde este mantém a frente oblíqua, a nuca flexionada, com a cabeça formando um ângulo um pouco maior que 90º em relação ao eixo do pescoço e os posteriores engajados.