Nessa quarta-feira (24), policiais da 35ª DP deflagraram a Operação Fecha Firma e desarticularam uma associação criminosa voltada para a prática de estelionatos. Três pessoas foram presas até o momento.

Conforme apurado, os autores atuavam em uma empresa de apoio financeiro, denominada Diamond Assistência Pessoal e procuravam pessoas, em especial funcionários públicos que estavam endividados, e lhes ofereciam grandes vantagens no refinanciamento de suas dívidas.

Os autores também procuravam pessoas que haviam realizado financiamentos bancários e diziam que elas teriam dinheiro a receber, pois o financiamento teria sido cobrado a mais.

No caso investigado pela 35ª DP, a vítima, uma mulher de 51 anos e moradora de Sobradinho II, recebeu um telefonema de uma pessoa que afirmou ser funcionária do BRB. A golpista disse que a vítima teria dinheiro a receber referente a resquícios da sua conta, pois o banco teria cobrado valores a mais dela, quando do financiamento realizado.

A vítima, ainda, informou, que o suposto funcionário do BRB lhe pediu para que agendasse a visita para o dia 24/02/2021, devendo ela levar o seu aparelho de telefone celular, com o aplicativo atualizado do banco, como também seu cartão bancário. O encontro, tendo sido agendado na Quadra 701, Edifício Multiempresarial de Brasília.


Desconfiada, a vítima procurou a 35ª DP e foi informada pelos policiais que ela estava prestes a cair em um golpe. Segundo constatado, já haviam sido registradas 12 ocorrências policiais contra a citada empresa, tendo sido verificado que, quando as vítimas compareciam aos encontros agendados, os funcionários da empresa pediam o seu aparelho de telefone celular e, sem que elas percebessem, ingressavam nos aplicativos de seus bancos, contraíam um novo empréstimo e transferiam o dinheiro obtido para uma conta bancária por eles administradas.

Diante de tal constatação, a vítima foi orientada a comparecer à reunião agendada, a qual seria monitorada pelos policiais. No local, as três pessoas que atenderam a vítima solicitaram o celular dela, sendo que a primeira atendente, pediu para mexer no celular da vítima para ”ver o aplicativo dela”, tendo ainda solicitado à vítima que acessasse o aplicativo bancário e colocasse na página referente aos seus empréstimos. Em seguida, os atendentes acessaram o aplicativo bancário em seu celular e, quando acessavam a aba referente aos seus investimentos, os policiais ingressaram no local e deram voz de prisão aos atendentes, identificados posteriormente como sendo Diones Oliveira da Costa, 38 anos, e Raquel Lopes de Sousa, 27. A responsável pela empresa, identificada como Olamine Lage Farah Nolasco, 31, também foi autuada.

Durante a ação policial, foi constatado que Olamine atua como gerente geral da empresa, nas sedes do Rio de Janeiro e de Brasília, sendo a responsável pelo treinamento dos atendentes.

Alguns documentos, um computador pessoal e os aparelhos de telefone celular dos envolvidos foram apreendidos no escritório. Dentre os documentos apreendidos, destacam-se orientações da empresa para os atendentes, tais como: “Que o atendente cite para o cliente que é ‘representante do Banco TAL”; “De não informar ao cliente qual é o banco que irá fazer a restituição/desconto”; “Se perguntar algo para o banco ele pode achar que não é a senhora, até porque o banco tem um sistema contra fraude”; ”É necessário ter controle da negociação”; “Colocar o cliente no lugar; e “Ser fria.”

Em razão das investigações e provas colhidas, os autores foram presos em flagrante delito pelos crimes de tentativa de estelionato e associação criminosa. A investigação prossegue em relação aos outros crimes perpetrados.

Por cada crime de estelionato, os autores estão sujeitos a pena de um a cinco anos de prisão. E pelo crime de associação criminosa, podem pegar de um a três anos de reclusão.

A PCDF, por meio da 35ª DP, solicita à imprensa local a divulgação dos nomes e das imagens dos autuados e da empresa responsável pelas fraudes apuradas, para que sejam reconhecidos por outras eventuais vítimas, encorajando-as a registrarem as respectivas ocorrências policiais.


As denúncias poderão ser feitas por meio dos canais on-line no site oficial da PCDF ou pelo Disque-Denúncia (197), ligação gratuita. O sigilo do denunciante será mantido em sigilo absoluto. Os plantões das delegacias em todas as cidades do DF funcionam 24h para informações e registros de ocorrências.