RAY CUNHA

BRASÍLIA, 21 DE JANEIRO DE 2021 – O portal jornalístico Metrópoles, fundado pelo bilionário Luiz Estêvão em 8 de setembro de 2015, em Brasília, é hoje o mais lido da capital e um dos 10 mais do país. Quando circulou por Brasília a notícia de que ele pretendia investir empresarialmente em comunicação social, chegou-se a noticiar que compraria o Correio Braziliense, que já andava trôpego das pernas. Mas Luiz Estêvão desmentiu o boato; não investiria em jornal impresso. E quando a Veja, que já foi uma revista ansiosamente esperada a cada semana, fechou a anêmica Vejinha Brasília, Luiz Estêvão contratou toda a equipe desempregada, a começar por Lilian Tahan.

O sucesso do portal, além de investimento milionário, deve-se muito à brasiliense Lilian Tahan, sua diretora de redação. Graduada em comunicação social pela Universidade de Brasília (UnB), com especialização em jornalismo digital e gestão de empresa de comunicação pela ISE Business School, vinculada à Universidade de Navarra, na Espanha, Lilian já tinha estrada; trabalhou por 12 anos no jornal Correio Braziliense e dois anos na revista Veja Brasília, e conquistou os prêmios Esso, Embratel, CNT, CNI, AMB, MPT e Engenho.

Dedicada, Lilian Tahan comanda o Metrópoles com muito talento. Luiz Estêvão suou para contar com ela na sua equipe, e teve de lhe dar carta branca. Em troca, Lilian garante algo que anda sumido da mídia: jornalismo. Consegue isso com uma equipe de quase 200 profissionais. Resultado: o portal já abiscoitou vários prêmios de jornalismo nacionais e internacionais.

Quanto a Luiz Estêvão, condenado a 31 anos de prisão por fraude na construção do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo e preso desde 2016, deverá progredir para o regime aberto a partir deste ano. Ganhou autorização de deixar a prisão, após 4 anos preso, por pertencer ao grupo de risco frente ao vírus chinês, por decisão do relator do caso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Rogério Schietti Cruz, que atendeu a um pedido de habeas corpus alegando que Luiz Estêvão é “idoso, hipertenso, pré-diabético e com problemas cardiovasculares”.

Na cadeia, Luiz Estêvão não perdeu o fôlego. Suas férias no cárcere lhe proporcionam mais tempo para ler, algo de que gosta muito, e grandes autores da literatura universal.