Há séculos nossa população coloca a culpa dos problemas do Município, Estado ou País nos políticos, mas não faz a autoculpa, já que os “representantes do povo” só ocupam a cadeira se receberem os votos nas urnas.

O processo eleitoral brasileiro por ser democrático desde 1988. com a conhecida redemocratização, que teve inicio com o Movimento Diretas já, trouxe a tona a vontade de nosso povo que a 33 (anos) vai as urnas elegendo vereadores, prefeitos, deputados, senadores, governadores e presidente da republica. Mas será que nossa população sabe votar mesmo ou vota por impulso ?

Na Câmara de Vereadores de Itupeva – SP, conforme vídeo vinculado nas redes sociais, podemos ver que o vereador Everaldo Moreira de Freitas (PSD), que presidiu a sessão de posse de seus colegas tem grande dificuldade de ler o termo de posse, documento simples sempre escrito com palavras cotidianas como “PODER LEGISLATIVO” onde o referido vereador deve permanecer pelos próximos anos.

Não criticando a pessoa do nobre vereador por não ter uma boa leitura e acredito que pouco estudo, mas sim a população que o elegeu demostração clara que não dá importância e não sabe a relevância e poder de quem ocupa um mandato público.

O nobre vereador se não for bem assessorado certamente se tornará o conhecido “Maria vai com as outras ou massa de manobra” dos mais experientes e com nível de escolaridade maior.

Uma coisa é ser líder comunitário ter atividades ligadas diretamente a população não desmerecendo o vereador Everaldo Moreira de Freitas que em 2016, visando a necessidade da população, iniciou um projeto fundando a Associação dos Moradores do Parque das Hortênsias, permanecendo por 4 anos como presidente, oportunidade que pôde ajudar a população, em seguida tendo a ideia de ingressar na vida política.

Com isso quem perde é a população e vemos cotidianamente casos de votações onde os “representantes do povo” muitas vezes são levados pelas conhecidas raposas velhas da política, a votarem projetos de lei que prejudicam uma população inteira em detrimento de interesses particulares.