Por Maurício Nogueira

O candidato à reeleição à Presidência dos Estados Unidos, o republicano Donald Trump, declarou vitória na disputa contra o candidato democrata ao cargo, Joe Biden, na madrugada desta quarta-feira (4) e avisou que vai à Suprema Corte do país para interromper a contagem dos votos. A maioria dos eleitores da Flórida e de Michigan optaram por reeleger Trump.

A campanha de Biden, por sua vez, já prometeu uma reação caso a disputa vá parar na Justiça e disse ter advogados de prontidão.

Trump afirmou, na Casa Branca, que “esta é uma fraude contra o povo americano […]. Ganhamos estas eleições. […] Iremos à Suprema Corte. Queremos que pare todo o processo de votação. Não queremos que eles encontrem cédulas às 4 horas da manhã e as acrescentem ao desastre”, explicou.

A gerente de campanha de Biden, Jen O’Maley Dillon, em comunicado, reagiu à altura: “Se o presidente cumprir sua ameaça de ir ao tribunal para tentar impedir a tabulação apropriada dos votos, nós temos equipes jurídicas de prontidão e preparadas para serem enviadas e resistirem a esses esforços”.

No momento da declaração de Trump, ele havia conquistado 213 dos 270 delegados do Colégio Eleitoral que são necessários para um candidato vencer o pleito – nos EUA, a votação não é direta e é decidida por esses delegados, cujo número varia de acordo com cada estado em disputa. No mesmo instante, Biden estava com 224.

Os estados de Pensilvânia, Michigan e Wisconsin, três dos mais importantes dessa eleição, advertiram que precisariam de mais horas e até mesmo dias para contar todos os votos, devido em parte ao aumento do volume de votações por correio na esteira da pandemia do novo coronavírus.