Por Maurício Nogueira

Justiça bloqueou contas bancárias e penhorou bens do candidato à Prefeitura de São PauloCelso Russomanno.

A ação cobra o deputado federal pelo não pagamento de aluguéis para a empresa proprietária do imóvel que abrigou o Bar do Alemão, em Brasília.

No processo, o parlamentar é citado como sócio e administrador do estabelecimento. Com a decisão, o candidato teve contas bancárias bloqueadas em quatro bancos, um prédio penhorado e seus carros incluídos no cadastro de restrição judicial.

O advogado da locadora, André da Mata, garante que o parlamentar do Republicanos ficou de fevereiro de 2015 a agosto de 2016 sem pagar o aluguel, sendo que a dívida corrigida ultrapassa agora os R$ 7 milhões.

Segundo André da Mata, a Justiça determinou que Celso Russomanno pagasse a dívida em agosto de 2016, mas o parlamentar não atendeu a ordem.

O Bar do Alemão foi inaugurado em 2013 em área nobre de Brasília, a menos de dois quilômetros do Palácio da Alvorada, a residência oficial do Presidente da República.

Russomanno era sócio de uma empresa de Augusto Mendonça Neto, do Grupo Toyo Setal.

Posteriormente, o empresário confessou a Lava Jato que repassou R$ 60 milhões em propina ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Celso Russomanno teve as contas bloqueadas quando a dívida ainda estava em R$ 2 milhões. Na época, a Justiça localizou em quatro contas um saldo de R$ 1.600.

A defesa do deputado argumenta que a assinatura no contrato de locação não é de Russomanno, algo negado pela empresa que o acionou na Justiça.