Renata Schuster Poli

A população do Distrito Federal, tem sofrido com as constantes interrupções do fornecimento de energia elétrica, pela Companhia Energética de Brasília, fortalecendo a tese do Governador da necessidade imediata da privatização da empresa.

Parte dos problemas da empresa é devido a divida bilionária que se arrasta a anos impossibilitando os investimentos para melhoria do fornecimento de energia a população, que por sua vez não colabora fazendo gabiarras e parcelamentos de terras sem o consentimento do poder publico.

De um lado a população que cobra o serviço de qualidade principalmente nas áreas regularidades que possuem escrituras e pagam imposto, de outros os moradores de loteamentos irregulares que enxeram os bolsos de grileiros que deixaram seus clientes a ver navios. O governo que de forma histórica mantêm a postura de omissão e só toma providencias depois que cidades novas foram edificadas pelos populares.

A questão da privatização da CEB, é mais complexa que se imagina, parte da classe politica não quer que a empresa passe para as mão da iniciativa privadas tendo em vista que perdem força para conseguir fazer solicitações para instalação de energia elétrica em novos loteamentos criados pela própria população sem o planejamento e infra estrutura necessários situação esta que foi uma das causas do endividamento da empresa que tem suas redes de energia elétricas sugadas por gambiarras.

Com a privatização da CEB, tais situações com certeza serão extintas, com o controle da iniciativa privada o famoso “jeitinho brasileiro” vai por terra e quem quiser ter o fornecimento de energia vai ter que pagar e cumprir as determinações da novo gestora do serviço elétrico. Esperamos que com a venda o Governo do Distrito Federal, mensais com os aportes para manter os serviços funcionando mesmo que de forma precária.