É inacreditável que nos dias de hoje a cor da minha pele te incomode, é inacreditável que esse detalhe ainda possa segregar,
Por quanto tempo o Racismo ainda vai te dominar?
Definitivamente não sou uma doença, não vou te infectar,
Até quando meu sonho, você irá ceifar?
Não me interrompa, por favor, o tempo é curto, preciso falar,
Como eu queria entrar em um shopping ou em uma simples padaria, sem ninguém desconfiar,
Nas brincadeiras de polícia e ladrão, meu filho sempre é preso, o negrinho sem direito a nada falar,
Por que eu não posso ir à sua casa, sem na saída, minha bolsa você ter que revistar?
Sou NEGRO, não sou arrastão, posso ir à praia, só para mergulhar?
Posso sem problemas sentar ao seu lado no ônibus, sem que você tenha que se levantar,
Meus, minutos estão contados, por favor, deixa eu falar…
Até quando a cor da minha pele, vai ser critério para você me contratar?
Uma foto em um currículo não é motivo para você me excluir, muito menos me julgar,
Não quero ganhar de você, muito menos roubar o seu lugar,
Só quero competir de igual para igual, sem trapaças para me derrubar,
Uma luta honesta e leal, em busca do primeiro lugar,
Qual é mesmo o problema de um NEGRO sonhar?
De ver meu filho na faculdade, e posteriormente se formar,
Um futuro digno para se orgulhar!
E minha esposa, só pode ser doméstica, ou dona do lar???
Afinal, é pedir muito algumas vagas no vestibular?
Ou simplesmente, ao seu lado, em uma praça poder conversar???
Não, não é possível que a cor da minha pele seja processo seletivo, credencial para livre por aí passear,
Só mais alguns segundos, minha vida está se esvaindo, preciso falar…
Daqui a pouco estarei junto a Marielle Franco, ao jovem João Pedro e serei só mais uma estatística por aí, solta pelo ar,
Sou apenas um NEGRO, quero ser seu amigo, não vou te roubar,
Não sou seu rival, pare de me odiar,
Por quantas chacinas ainda vou ter que passar?
Roleta russa da vida, bala perdida a me procurar,
Ter o mesmo direito que o seu, é possível??? Será que realmente eu preciso implorar???
Deixa eu andar de barco, ou de avião, sem dezenas de olhares a me condenar,
Não é porque eu sou NEGRO, que eu vivo caído na porta de algum bar,
Posso muito bem morar em uma casa como a sua, sem ninguém me humilhar,
Ou do meu caráter, alguém duvidar,
NEGRO não é sinônimo de bandido, por favor, pare de delirar,
O NEGRO e branco, somos todos iguais, por favor, pare para pensar,
Preciso somente de dignidade, igualdade, respeito, uma oportunidade para sonhar,
Sou mais um NEGRO, uma estrela que no céu não vai brilhar,
Já não me resta mais tempo, não consigo respirar.

Com amor,
Claudio Oliveira.