Por: Luiz Solano
O Reporter do Planalto

A Associação Comercial do Distrito Federal (ACDF) tem atuado em áreas de extrema responsabilidade social e ambiental, participando ativamente na elaboração e no auxílio da aplicação de políticas públicas e programas do Governo do Distrito Federal, nas mais diversas áreas, sempre zelando pela Capital do país.

Segundo o presidente, Fernando Brites, a ACDF apoiada pelos empresários e proprietários de imóveis do SCS, tem mantido seu suporte incondicional às decisões emanadas pelo Governador Ibaneis Rocha, primando pela manutenção da ordem pública, da governança corporativa, da gestão de riscos e da aderência normativa.

Entretanto, há algumas providências urgentes que precisam ser tomadas para o cumprimento das determinações governamentais, no âmbito do Distrito Federal, em especial no SCS.

O tráfico ilícito de entorpecentes é em Brasília, um tema cercado de polêmicas, uma vez que existe no Distrito Federal, sólida relação entre as drogas e a criminalidade presenciada em nosso cotidiano. Os comerciantes de drogas não temem qualquer censura e realizam as vendas nas ruas do Setor Comercial Sul,  livremente, oferecendo químicas ilegais, como é amplamente sabido e divulgado, aos moradores de rua, ostensivamente e sem qualquer receio.

Para tanto, é preciso que as autoridades do GDF efetuem a imediata retirada das pessoas em estado de vulnerabilidade do SCS, encaminhando aos centros de apoio, especialmente equipados para proporcionar acesso à higiene, banheiro, alojamento e  refeição, principalmente durante esse período de pandemia. Além disso, será fundamental aumentar o apoio policial, com a fiscalização constante e o encaminhamento dessa população aos centros adequados.

O Presidente da ACDF, Fernando Brites, esclareceu que o SCS, poderá ser um exemplo de ação de gestão governamental, tornando-se  um excelente local de trabalho, gerador de empregos e polo de desenvolvimento econômico, se medidas diligentes forem adotadas de maneira efetiva. Não podemos permitir que o coração de Brasília, torne-se uma região inóspita e se transforme em uma segunda cracolândia brasileira.

O dirigente maior da ACDF, sugeriu que o CAPS do Setor Comercial Sul, tenha suas atividades encerradas no local, transferindo os trabalhos de suma importância para o resgate da dignidade desses homens e mulheres, para uma área fora do centro urbano, permitindo prestar melhor serviço tanto à população  vulnerável quanto às demais pessoas que trabalham no centro de Brasília e que se sentem ameaçadas pelo contexto em que se encontra essa grande região administrativa e empresarial. A insegurança impera, prejudicando as atividades ali situadas, restringindo direitos constitucionais dos empreendedores, empresários, agentes públicos e demais cidadãos que dependem da área para executar suas atividades de trabalho.

Finalmente, segundo Fernando Brites, independentemente de medidas futuras, nesse momento de ameaça de contágio, com orientações de isolamento pelo risco de contaminação, todas as providências devem ser tomadas e todos os esforços devem ser emanados para que os moradores de rua recebam o suporte e sejam direcionados aos espaços adequados de acolhimento.

Compartilhar: