A Rede Globo tem interesses escabrosos. Não duvidem. Ali tudo gira em torno do vil metal.

Preocupação com vida humana, nunca existiu. É pura balela para esconder interesses atrozes.

Basta ver que, tão logo iniciou sua “luta pela vida”, a Globo criou o programa “Combate ao Coronavírus”. Para tanto, retirou do ar a Fátima Bernardes.

Esta semana, em meio à pandemia, o programa sai do ar e Fátima retorna. O motivo: a queda na audiência. É isso que manda.

Não existe nenhuma preocupação em ‘luta pela vida’.

Por isso mesmo, parece que a palavra “cloroquina” está proibida de ser mencionada na emissora.

Nesse sentido, o secretário de saúde de Floriano (PI), cidade com experiência exitosa no combate a pandemia, foi literalmente “censurado” ao pronunciar a palavra proibida.

A repórter interveio e não permitiu que prosseguisse sua explanação.

Veja o vídeo e tire suas conclusões:

Globo CENSURA entrevistado ao mencionar que CLOROQUINA CURA PESSOASO Secretário de Saúde da cidade de Floriano/Piauí falava sobre como pacientes com COVID estão sendo curadosAí a jornalista corta tudo exatamente quando ele menciona o remédio usado: CLOROQUINAEstranho, não?

Publicado por Eduardo Bolsonaro em Quinta-feira, 14 de maio de 2020

Fonte: Jornal das cidades