Quando deixou o Palácio da Alvorada nesta manhã de quarta-feira (29), Jair Bolsonaro voltou a atacar a imprensa e disse que suas declarações desta terça-feira à noite sobre as mortes causadas pela Covid-19 no Brasil foram deturpadas.

“Não adianta a imprensa botar na minha conta essas questões, que não cabem a mim”, afirmou Bolsonaro. As perguntas, segundo ele, devem ser dirigidas aos governadores que decretaram o isolamento nos respectivos estados.

Respondendo a um repórter sobre o comentário que fez ontem a respeito das mortes (“E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”), Bolsonaro disse:

“Você não botou o complemento. Botou só isso daí. A Globo não tem moral. Você é um mentiroso, a Globo é mentirosa”, atacou. “O complemento é que eu lamento. Falei aqui.”

A claque de apoiadores de Bolsonaro começou, então, a gritar para os jornalistas: “Vergonha! Vergonha! Vergonha!”.

Desta vez, estava acompanhado de deputados bolsonaristas que se revezavam aos  microfones para defender enfaticamente o presidente, com elogios e enaltecendo os atos do Palácio do Planalto. Criticaram o PT que quando esteve no poder desviou verbas.

“Se a imprensa não quer ouvir, o povo quer ouvir”, disse a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), ardorosa defensora de Bolsonaro.