Espaços de atendimento a casos suspeitos de dengue recebem visita

Espaços de atendimento a casos suspeitos de dengue recebem visita

Vice-governador esteve em Taguatinga e Ceilândia para ver de perto o trabalho nas salas de acolhimento e hospitais

Por: LÍVIO DI ARAÚJO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

As salas oferecem atendimento de segunda-feira a domingo, das 8 às 17h | Foto: Divulgação

Acompanhado pelo secretário de Saúde, Osnei Okumoto, o vice-governador Paco Britto visitou, na manhã deste sábado (22), as salas de acolhimento para casos suspeitos de dengue em Taguatinga e Ceilândia. Montadas no estacionamento do Hospital Regional de Taguatinga e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ceilândia, as salas são utilizadas no primeiro atendimento ao paciente com suspeita da doença.

Em ambas as salas, no período matinal, o movimento estava tranquilo. O atendimento é prestado de segunda-feira a domingo, das 8h às 17h. A previsão inicial era de que as salas funcionassem pelos próximos 30 dias, mas o prazo pode ser estendido, a depender da demanda de cada região.

Nesses espaços, o paciente suspeito de estar infectado pela doença é atendido por uma equipe da qual fazem parte um enfermeiro e um técnico de enfermagem. Se houver necessidade de exames laboratoriais, a pessoa é encaminhada ao hospital, para dar início ao processo de hidratação. Casos não confirmados seguem acompanhados nas unidades básicas de saúde (UBSs).

Nessas salas, os pacientes são classificados como A e B, quando há liberação para continuarem o tratamento em suas residências; C, se for preciso encaminhamento a um hospital da rede, e D, nos casos considerados mais graves. De acordo com dados da Secretaria de Saúde (SES), até a última semana de janeiro deste ano, foram registrados 1.419 casos da doença no DF, com um óbito.

Campanha prossegue

O Governo do Distrito Federal está empenhado no combate à dengue no DF. Reuniões constantes com os órgãos do governo têm sido feitas para acabar com os focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor dessa doença e de zika e chikungunya. As ações também focam em um atendimento de excelência aos pacientes que procurarem com suspeitas de infecção de algumas dessas doenças.

Cinco ações foram elencadas como urgentes: levantamento das paradas de ônibus que precisam de limpeza, de imóveis abandonados e de sucatas nas ruas, manejo do lixo e montagem de tendas para atendimento aos doentes.

Com a ajuda do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), uma sala de crise será instalada o Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob), na sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), para reunir todos os mapeamentos feitos pelas administrações e as ações que estão sendo realizadas em cada cidade. Também serão atualizados os números de atendimentos nas quase 100 salas de hidratação montadas pela SESe em todas as cidades do DF.

Renata Schuster

Renata Schuster