Vice-governador esteve em Taguatinga e Ceilândia para ver de perto o trabalho nas salas de acolhimento e hospitais

Por: LÍVIO DI ARAÚJO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

As salas oferecem atendimento de segunda-feira a domingo, das 8 às 17h | Foto: Divulgação

Acompanhado pelo secretário de Saúde, Osnei Okumoto, o vice-governador Paco Britto visitou, na manhã deste sábado (22), as salas de acolhimento para casos suspeitos de dengue em Taguatinga e Ceilândia. Montadas no estacionamento do Hospital Regional de Taguatinga e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Ceilândia, as salas são utilizadas no primeiro atendimento ao paciente com suspeita da doença.

Em ambas as salas, no período matinal, o movimento estava tranquilo. O atendimento é prestado de segunda-feira a domingo, das 8h às 17h. A previsão inicial era de que as salas funcionassem pelos próximos 30 dias, mas o prazo pode ser estendido, a depender da demanda de cada região.

Nesses espaços, o paciente suspeito de estar infectado pela doença é atendido por uma equipe da qual fazem parte um enfermeiro e um técnico de enfermagem. Se houver necessidade de exames laboratoriais, a pessoa é encaminhada ao hospital, para dar início ao processo de hidratação. Casos não confirmados seguem acompanhados nas unidades básicas de saúde (UBSs).

Nessas salas, os pacientes são classificados como A e B, quando há liberação para continuarem o tratamento em suas residências; C, se for preciso encaminhamento a um hospital da rede, e D, nos casos considerados mais graves. De acordo com dados da Secretaria de Saúde (SES), até a última semana de janeiro deste ano, foram registrados 1.419 casos da doença no DF, com um óbito.

Campanha prossegue

O Governo do Distrito Federal está empenhado no combate à dengue no DF. Reuniões constantes com os órgãos do governo têm sido feitas para acabar com os focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor dessa doença e de zika e chikungunya. As ações também focam em um atendimento de excelência aos pacientes que procurarem com suspeitas de infecção de algumas dessas doenças.

Cinco ações foram elencadas como urgentes: levantamento das paradas de ônibus que precisam de limpeza, de imóveis abandonados e de sucatas nas ruas, manejo do lixo e montagem de tendas para atendimento aos doentes.

Com a ajuda do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF), uma sala de crise será instalada o Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob), na sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), para reunir todos os mapeamentos feitos pelas administrações e as ações que estão sendo realizadas em cada cidade. Também serão atualizados os números de atendimentos nas quase 100 salas de hidratação montadas pela SESe em todas as cidades do DF.